☛ Edir Meirelles – o poeta e o poema

 

Poema Troncho
 

Um regurgitar botânico
me induz a uma dedução
apressada

apresada em meu íntimo
como o verniz na matéria
envelhecida

o envilecimento turge o espírito
e decodifica a metafísica
a meta fica desmistificada
e a alma se petrifica
coisificada

a coisa ficada em natura
se fixa e perde a elasticidade
do obtuso pensamento

o passamento é fato do passado
no passadiço do fuso horário
do universo sem hora

senhora dos meus sonhos
a musa rouba-me
o inconsciente

estou ciente de minhas deficiências
e fraquezas de amante
o diamante é mineral bruto
                                          que se faz preciosidade                                                             
após ser lapidado

do lápis dado não se muda
o grafite e nem mesmo o traço
por isso o poema troncho – faço. 

           *  Edir Meirelles                                             

Anúncios
Publicado em Uncategorized | 16 Comentários